segunda-feira, 20 de julho de 2015

O Pau-Pau

O sítio onde trabalho tem vista para um largo que no inverno chega a ser a maior seca que existe, mas que no verão é palco de inúmeras personagens que se passeiam por lá. Uns passeiam cães, outros estão de ida (ou vinda) para a praia. Outros passeiam carrinhos de bebés. Outros fazem jogging. Outros fazem descargas de mercadorias...
Muitas vezes, um chinês empurra vigorosamente um carrinho de supermercado, cheio de compras, até ao seu restaurante (chinês claro). Agora em férias escolares, muitas crianças brincam por ali, umas andam de bicicleta, outras saltitam enquanto os pais bebem café na pastelaria mais próxima. Uma dessas crianças é a filha desse chinês.
Tem uns 8 anos e passa o dia na rua a brincar sozinha. Já a vimos (divertidos até ao tutano) a dançar o vira, a ensaiar canções, a ver-se ao espelho do nosso sítio (sem saber que estava a ser observada), a apanhar pedras e falar sozinha, etc. Um dia apareceu acompanhada. Era um cãozinho rafeiro, do mais fofo que se pode imaginar, bege (parece um labrador, mas versão rafeirolas), bem novinho e saltitão. Vejo esse cão todos os dias agora. E todos os dias perco uns minutos aqui e ali para o observar e sorrir.
Adoro cães. Adoro mesmo. Sempre adorei. E mais uma vez lembrei-me da minha infância e adolescência a pedir aos meus pais um cão, pedidos cada vez mais ocos com o tempo, dado que sabia perfeitamente que nunca me dariam um. Hoje em dia percebo-os lindamente. Um cão é mais um filho, mais uma (grande) responsabilidade, mais um ser que pertence à nossa família e que, se somos cuidadosos e responsáveis, teremos de cuidar com amor e carinho.
Mas com ele vêm os problemas das férias, do passear todos os dias esteja sol ou chuva, das eventuais doenças, veterinários, das rações específicas, etc etc. E por isso adquirir um cão nunca é uma decisão que se faz de ânimo leve. Nestes últimos dias tenho-me perguntado se alguma vez cumprirei o meu sonho de menina de ter um cão. Espero que sim. Que um dia chegue o momento adequado. Se não chegar também não é grave, mas adorava ter um companheiro de 4 patas. Neste momento é impossível. Chegam 2 filhos, 3 é demais.
Enquanto isso delicio-me com a menina chinesa que, entretanto, todos os dias faz amigos novos, atraídos pelo Pau-Pau (o nome dele). E lá vejo o Pau-Pau a saltitar, a correr atrás deles, a ir buscar bolas, a ir levá-las, a ir buscar paus, a ladrar excitado com tanta brincadeira, a coçar-se preguiçosamente na relva, a descansar à sombra enquanto recebe festinhas da miúda.
Enquanto isso, rio-me também das nossas conversas sobre o futuro do Pau-Pau que, segundo alguns, está na fase da engorda para depois ser servido como Porco Doce no restaurante dos pais :P
Hoje passei horas, literalmente, a ouvir chamar o nome do cão. Os miúdos não paravam. Sim, ok, às vezes cansa um bocadinho. Afinal estamos a trabalhar e ouvir a gritaria o dia todo não ajuda. Mas, da minha parte, consegui sempre abstrair-me e, principalmente, desfrutar da visão do cão a brincar.
E secretamente tive inveja dos miúdos a brincarem inocentemente com aquele ser tão fantástico e fofinho. Hoje teria gostado de ser criança e de abraçar as vezes que quisesse o cãozito, e correr na relva/passeio de um lado para o outro.
Bons momentos, bons pensamentos :)