quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Viroses amorosas

Querido P.,

A viroseira chegou lá a casa e a ti concretamente. Como és o senhor vomitador-mor lá do sítio, inicialmente não ligámos muito porque, depois de um blargggggghhhhh matinal, passaste quase 2 dias bem. Mas, no dia de anos da tua avó, voltaste à carga e em força (foi para ser um aniversário diferente!) e depois de mais uns blarghhhhs lá fiquei em casa contigo.

Confesso: apesar do motivo, soube-me a mel! Não estavas desidratado, nem muito choroso, querias era ver TV (de mantinha no colo ahahaha, sai à mãe) e receber mimos.
E mimos dei.

E depois aconteceu uma coisa mágica, algo que não acontecia há mesmo muito tempo: na altura da sesta, quando estávamos ainda no "nosso cadeirão" antes de ires para a cama, já de persiana fechada, adormeceste no meu colo. Não querias sair dali e aninhaste-te. E adormeceste... E foi um daqueles momentos tão doces, mas tão doces, que quase derreti fisicamente (o meu coração esse triplicou de tamanho). És o meu pequenino já não tão pequenino, mas dar-te-ei colo sempre que precisares.
Cá estarei meu amor.

P. com 3 anos e 2 meses.