quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Blush e batons

Sempre fui daquelas raparigas que achava alguma piada a ver mulheres com bolsas de maquilhagem dentro das carteiras. Sempre fui descomplicada e prática e não percebia bem o porquê de elas fazerem isso. Porque não se maquilhavam em casa? A minha carteira nunca levou mais do que o essencial (carteira com notas, moedas e cartões, telefone e pouco mais).

Nos últimos anos a minha carteira começou a ficar mais recheada. Lenços de papel (geralmente necessário para as ranhocas ou afins do filho mais velho), recibos esquecidos de compras, alguma fralda ou chucha pelo meio, caneta e papel, uma folha com um desenho que o M. me ofereceu e insiste para eu andar com ela ou levar para o trabalho, etc.

No último ano porém... com o tempo matinal definitivamente a voar-me pelas mãos (detenho literalmente de 10 minutos para me arranjar de manhã - lavar ou tomar banho, vestir, comer, pentear - e os outros 1h e quase meia que são para um bebé ao qual ainda tenho de dar o leite e tentar mudar fralda e vestir entre guinchos, palramentos, choro e tentativas permanentes de evasão da cama onde o mudo, colocar soro e aspirar as ranhocas, etc.) comecei a ter de me maquilhar no trabalho.
Sim, lá.

Comecei por sacar à pressa um lápis de olhos para a mala, ao sair de casa. Depois como pareço morta sem blush, comecei a sacar o dito também. Depois era o corretor de olheiras (nunca elas foram tão profundas). Nas últimas semanas comecei a desistir sequer de fazer algo no carro. Não.
Coloco o puto na escola de cara lavada (e se já levar creme já é uma sorte) e como sou a primeira a chegar ao escritório, lá vou dar uns retoques para parecer que estou viva e fresca.

Por isso, sim, agora finalmente, e depois de muita resistência, pertenço ao clube das que levam uma bolsinha com maquilhagem na mala.
Sou uma mulher crescida!