domingo, 9 de agosto de 2015

Dias de descanso

O que se faz num dia de verão, com imenso calor, sem a ventania do costume? Passeia-se? Vai-se à praia?
Nãoooooo. Fica-se em casa o dia todo, sem sair para lado nenhum, a cuidar de um bebé que está doente, mas que tem a maior carga eléctrica que já vi num ser... O puto tem pilhas... Não quer dormir... Ao colo não está quieto, na cadeira também não está quieto. Se vou fechar a persiana para dormir, não perde tempo em puxar as cortinas. Se me aproximo da parede quer tocar no quadro. Se lhe dou colo para adormecer chora e grita e rodopia o braço à estalada. Demora séculos (!!) a adormecer. Qualquer barulho é suficiente para o acordar.
Estes últimos dias têm sido difíceis bolas.
E ele chora com todas a suas forças.
E sinto-me (sentimo-nos) esgotada. Simplesmente esgotada.
Não sei o que se passa. À noite sempre adormeceu bem, sempre dormiu bem. Agora é uma tortura.
Que esta fase passe depressa... é a única coisa que desejo.