terça-feira, 26 de maio de 2015

Observo

Observo-te. Estás tão grande... Pensas, tens opinião e gostos próprios, adoras parvoíces e brincadeiras, dizes "meu" e "muita fixeee" e essas coisas a tentar ser... fixe. Estás giro e mais "espanado", mas quando o sono aperta, quando tens uma dúvida, uma insegurança, quando é de noite corres para mim. Para o mimo, para que eu te assegure que tudo está bem, para que eu te ensine e conforte, para que eu me ria contigo.
Mal tu sabes que eu nada sei e que não faço ideia do que estou para aqui a fazer.

Observo-te também. Ultimamente mais chorão, exigente e por vezes incomodado. Cresces a olhos vistos. Hoje adormeces com dificuldade. Acordas algumas vezes a choramingar... E eu já vi este filme. Engano-me dizendo para mim própria: devem ser dentes, estão aí quase a romper. Ou então: está calor, se calhar tem calor. Simplesmente não quero nem pensar porque choras. Tens dores? apenas sono? acordaste e sentiste falta do mimo?
Fala comigo sim? Diz-me o que é. Por telepatia, qualquer maneira.
Vejo-te a coçar a orelha. Penso (e forço-me a acreditar) "é sono, claro."
Lá bem no meu íntimo rezo: nos próximos dias não, por favor. Não, não, não. Estarei sozinha. Não me faças isso, ok? meu fofo... aguenta-te mais um bocado.

Numa próxima vida recuso-me a ser mãe se os miúdos não vierem com manual de instruções :P