domingo, 24 de março de 2013

A Natureza Humana

(no cabeleireiro cheio de "profissionais" com as respectivas clientes, enquanto uma rapariga me corta e estica o cabelo)


Um pontapé do colega ao lado.
(sem querer?)
- Auuuuuuuu!! Mais cuidado Xélé
(o colega é brasileiro, não consigo ouvir bem o nome dele, mas é parecido com isto...)
O Xélé ignora.
Passado um bocado...
Pisadela do Xélé!
- Aiiiiiiii, epa tu és mesmo...
Ele volta a ignorar.
Ela para mim:

- Este rapaz é do pior... Tão mal-educado e bruto!

Eu ainda penso se devo dizer alguma coisa... Mas confusões com muita gente nunca foi a minha especialidade e nesse dia, particularmente, não me apetece muita conversa. Aliás, em cabeleireiros o meu hábito é entrar calada e sair muda. Quer dizer, entretanto lá abro a boca para dizer o que quero. Depois estou calada. Depois abro novamente a boca para agradecer e pagar :P
Ou seja, fico calada. São brancos que se entendam.

E.... nova cotovelada!
Ela quase explode.
- Ó Xélé! Epa tem lá cuidado pá. Não sabes trabalhar em grupo!
- Ô moça... Num fisss nada. Quê ôce s'istá queixando, pó?
- Não fizeste nada? já estou farta de levar pontapés e com o secador.

Ele de nariz empinado ignora novamente. Ele é a estrela do sítio e aquela mera funcionária é um pequeno mexilhão no seu reinado.
- Nem é por mim! é pela cliente.
(queixa-se ela)
Oi? eu? estão a falar de mim? mas eu não tenho nada a ver com isto...
Ele olha para mim altivo e não diz nada.
Coro que nem um tomate (nem sei bem porquê)

A cliente dele tenta aligeirar a coisa e diz umas piadas.
Começo a ficar com pena da minha cabeleireira. Já levou pancada umas quantas vezes e o galo está mesmo a cantar de galo na sua capoeira (pelos vistos ele domina a cena ali). Ela até parece querida e parece-me sentir-se deslocada no meio daquele mar de gente mesquinha e competitiva. (entretanto já fui observando a cena e dá para topar uns quantos olhares aqui e ali meio maldosos)
Já me estou a preparar para lhe dizer algo simpático que a distraia daquela conversa toda, quando uma colega loiraça e espampanante se aproxima.

- Olha fui ontem lá.
- Ai sim? e...? (responde a minha)
- O médico disse que estava tudo bem. Mandou-me fazer uns exames. E mandou-me tomar umas vitaminas para engordar.
- Para engordar? mas tu estás tão bem. Olha a mim é que no outro dia me disseram para tomar coisas para engordar. Mas eu acho que estou bem, sempre fui assim.
- Sim filha! tu estás óptima! (aproxima-se mais dela para sussurrar) Não és como aquela ali (aponta para uma colega bem gordinha mais ao longe) que parece que só lhe falta rebolar...
E as duas riem à socapa, bem maldosas, como se aquele comentário lhes fizesse desaparecer os problemas da vida e assegurar que o que têm de bom é mesmo bom.

É escusado dizer que já não disse nada. Não tinha mesmo nada a dizer depois desta bela demonstração da mesquinhez humana. Odeio bullies.